Desde crianças, as pessoas não são estimuladas a aprender sobre educação financeira e, raramente, desenvolvem o hábito de poupar para o futuro. A descoberta da importância das finanças ocorre quando o orçamento fica negativo. Por isso, é fundamental entender as etapas do ciclo da vida financeira para fazer com que o dinheiro renda.

A arte de poupar é deixar de gastar excessivamente no presente para consumir em um futuro que é determinado pelo investidor. Desse modo, aproveita-se melhor as oportunidades, como os juros compostos, usando o poder da rentabilidade e do tempo para fazer com que o dinheiro se multiplique.

Vamos entender melhor como isso ocorre?

Continue a leitura e saiba o que é e como funciona o ciclo da vida financeira.

Teoria do ciclo da vida de Franco Modigliani

Franco Modigliani foi um economista italiano, naturalizado norte-americano em 1946. É dele a teoria do ciclo da vida, que aponta a queda de renda na terceira idade como fator decisivo para o acúmulo prévio de ativos financeiros. Isso possibilitaria um padrão estável de consumo ao longo da vida.

Você sabe em qual parte desse ciclo da vida financeira você se encontra? Esse é um assunto que não tem idade, pois nunca é cedo ou tarde para se aprender. Por isso, é importante que você entenda três princípios básicos desse sistema:

  1. Não gaste tudo que ganha;
  2. Não gaste mais do que ganha;
  3. Não gaste antes de ganhar.

Quando não seguimos esses princípios, acabamos por sabotar o nosso futuro. Isso nos impede de conseguir as reservas necessárias para que tenhamos qualidade de vida. Diante dos imprevistos, perdemos a capacidade de evitar transtornos e podemos até não ter como nos mantermos, dependendo dos outros.

Levando isso em consideração, saiba agora quais são as etapas do ciclo da vida financeira.

Primeira fase: Acumular

Trata-se da disciplina de formar poupança, uma visão de longo prazo em relação ao próprio futuro. Devemos aproveitar alguns fatores, como juventude, energia e tempo, para acumular riqueza. É nesse período que as pessoas devem definir os próprios objetivos e poupar regularmente parte da sua renda.

Segunda fase: Rentabilizar

As pessoas devem adotar uma postura mais conservadora em relação ao próprio dinheiro, evitando correr riscos — pois não há tempo suficiente para recuperar uma eventual perda significativa. Busca-se, portanto, aplicações de maior rentabilidade. Pode-se montar uma boa carteira de investimentos com os recursos obtidos na primeira fase.

Terceira fase: Preservar

A última fase é a da preservação e utilização consciente dos próprios recursos. Quem obtém êxito nas fases anteriores consegue usufruir tranquilamente da renda obtida a partir dos recursos que foram acumulados ao longo da vida. Desse modo, é possível ter uma boa quantia na aposentadoria.

A fase de preservação também é importante para o poupador, pois ele precisa garantir a manutenção dos seus recursos por meio de aplicações conservadoras.

Observe como é importante que você descubra em qual etapa está do ciclo da vida financeira. Isso possibilita a criação de uma carteira de investimentos de acordo com os seus objetivos, bem como o tempo, a segurança e a rentabilidade desejados.

Se você gostou de conhecer o ciclo da vida financeira, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e marque os seus amigos e familiares para que eles também tenham um futuro garantido.