Morar sozinho é uma experiência muito positiva para o amadurecimento pessoal e para o aprendizado de gestão dos seus próprios recursos. No entanto, como todas as despesas se tornam responsabilidade exclusiva do indivíduo, é preciso se disciplinar desde o começo.

Se você se mudou por agora ou está pensando em fazer isso, saiba que é necessário adotar boas práticas de gestão financeira do dia a dia, planejando e administrando com cuidado os recursos disponíveis. Essa não é uma tarefa tão difícil, mas de fundamental importância para não se complicar no futuro.

No post de hoje, listamos algumas dicas financeiras que podem ajudá-lo na experiência de morar sozinho. Acompanhe!

1. Faça uma planilha para controle do orçamento

Uma das primeiras medidas a serem tomadas para uma boa gestão dos recursos é a elaboração de uma planilha para controle do orçamento doméstico. Nela, você pode lançar todos os recursos financeiros que receber indicando a fonte e, ao mesmo tempo, registrar todas as despesas a cada dia do mês.

Registre cada centavo utilizado e analise não apenas quanto você precisa ganhar, mas também quanto pode gastar. Adotando esses hábitos, é possível desenvolver uma consciência financeira, fundamental para cuidar bem do seu dinheiro.

2. Priorize os seus gastos

A disciplina de quem mora sozinho requer, entre outras iniciativas, a priorização dos gastos. Por isso, evite a aquisição de coisas supérfluas, isto é, que não sejam realmente necessárias.

Ao procurar investir apenas no que você precisa, é possível fazer frente às demandas que podem surgir (e sempre surgem) e não estão previstas.

3. Acompanhe as promoções

Uma boa maneira de reduzir gastos com as aquisições necessárias é estar atento às promoções. Você pode, por exemplo, acompanhar as ofertas quase diárias dos supermercados e fazer uma boa economia nas compras.

Para esse fim, não dispense os panfletos que são distribuídos diariamente por lojas e supermercados; só descarte-os depois de verificar se há alguma promoção de artigos que você de fato necessita.

4. Constitua uma reserva para emergências

Emergências acontecem quando menos se espera. Para estar preparado nesses casos, constitua uma reserva (faça uma poupança, por exemplo) para poder dispor de algum recurso quando precisar. O ideal é definir um valor e solicitar depósito automático mensalmente em uma conta poupança no banco onde você recebe sua remuneração.

5. Limite o cartão de crédito às situações de necessidade

Evite ter mais que um cartão de crédito e limite o seu uso às situações de necessidade. Deixe de utilizar o seu cartão por razões de comodidade: lembre-se que é preciso gerenciar o seu dinheiro de modo que as despesas em cartão de débito sejam suficientes e você não precise fazê-las em cartão de crédito.

6. Compre menos, mais vezes

Uma dica bem prática e muito útil é adquirir quantidades menores e, ao mesmo tempo, ir mais vezes fazer compras. Quando são várias pessoas no mesmo domicílio, o inverso pode ser melhor: comprar mais unidades de cada coisa.

No entanto, quando se mora sozinho, o padrão de consumo muda e corre-se o risco de perder muita coisa, uma vez que o consumo passa a ser bem menor. Por isso, é preciso construir o hábito de adquirir menos, principalmente gêneros alimentícios e outros de menor duração.

Seguindo esses passos, vai ser bem mais fácil para você se ajustar à experiência de morar sozinho. Gostou deste post e quer continuar acompanhando outras dicas sobre gestão financeira e muito mais? Curta nossa página no Facebook e acompanhe nosso canal no YouTube!